12.10.10

Augusto


Você me iluminou de uma forma que eu jamais poderia conceber, me trouxe esperanças de que, finalmente, minha vida adquiriria mais sentido e felicidade. Desde o momento de delícias em que você quis passear por esse nefasto mundo até o dia em que te chamaram para tornar-se um pequeno anjo a olhar por nós, você foi amado. E continuará sendo meu amor.






É da porção mais mágica que o universo pode sustentar esse amor pelo desconhecido. Ninguém te via, mas amavam como se fosse um integrante perpétuo de nossas vidas. Foram tantos presentes e palavras de carinho. Todos pensando em você, no seu bem estar. Eu seria capaz de tudo para ter a certeza de que tudo estava bem, que seu coração estava preparado para amar-nos como nós te amamos. É este um amor sublime, sem explicação... é divino. Quando à noite eu me entristecia pensando nas turbulências e cicatrizes que a vida me fez, sabia que você seria minha fonte de alegrias, mais um motivo para eu continuar lutando e sonhando.



Começar a sentir você dentro de mim, trazendo carinho quando a noite me trazia cansaço, chutando devagarzinho quando alguém que eu amasse se aproximava... isso foi sublime. Saber que você estava ali, protegido, resguardado, me amando.



A vida é muito dura comigo. Quiseram te levar antes da hora. Agora você é um anjinho, não está mais aqui abraçando meu ventre. A tristeza que agora sinto é incomensurável, só algumas mulheres podem me compreender. Perder você dessa forma tão rápida, dolorosa e imprevisível foi umas das piores provações pelas quais tive de passar. Possivelmente a pior. Aqueles últimos momentos em que senti você se contorcendo, de madrugada... como eu queria te pegar no colo e fazer seu medo ir embora para sempre.



Eu nunca vou entender por que você me deixou. Sinto tanto sua falta aqui dentro - do corpo e do coração. Choro tanto ao pensar e lembrar, e sei que esta memória não se apagará. Prometo tentar guardar as lembranças belas, dos primeiros momentos que te vi, mesmo com todas as dificuldades. Os planos e os sonhos, como se você já estivesse aqui pertinho com suas mãozinhas delicadas. Os momentos em que senti seus movimentos, mostrando ao mundo que estava contente por estar aqui. As horas em que eu conversava com você, falando da vida e das coisas que íamos fazer juntos.



Todos estavam ansiosos para te ver e te apertar, mas infelizmente o tempo foi perverso e não permitiu sua chegada. Mesmo sabendo que eu não entenderei bem os motivos pelos quais a vida nos apunhalou tão ferozmente, deixo minhas palavras aqui, em meio às lágrimas e dor dentro do peito que te alimentaria com o maior amor do mundo. Saiba que eu te amo, meu filho.

2 comentários:

Agatha disse...

que deus esteja com esse anjinho e que ele esteja sempre com a gente amiga
a vida sempre nos faz coisas q não entendemos o pq... mas ele sempre existe
como vc disse...ele é um ajinho muito amado e ele sabe disso

Ana disse...

Sócrates dizia que nunca saberíamos o porque das coisas de forma definitiva, nem a natureza de Deus, porque somos parte do todo, não podemos ver com a clareza necessária para julgar.

Mas os filósofos daquela época acreditavam que a resposta seria encontrada se nós pudéssemos responder a esta simples pergunta: "O que é estável e único além da mudança e da multiplicidade?".

Até pouco tempo atrás eu não tinha idéia de como responder essa pergunta. Mas, em meio a decisões malucas e reviravoltas, catástrofes e surpresas boas, eu entendi que tenho alguns presentes de valor incomensurável, estáveis e únicos, resistentes a qualquer mudança, inabaláveis... são essas coisas que fazem a minha vida valer a pena e você é uma delas.

O amor verdadeiro é nosso para sempre, e assim será o nosso anjinho, meu primeiro sobrinho, símbolo do amor infinito.

Vamos seguir o conselho do sábio Sócrates - não procuremos entender, apenas amemos. E sigamos com coragem: com a força que vem do coração.