28.11.10

Oitavo

Minha singela despedida aos colegas, amigos e professores do curso. Lida sob intensa tremedeira na nossa aula da saudade de sexta, dia 26.11.2010. O fim se aproxima e eu ainda não me encontrei... :/



É difícil falar de saudade, de amor, de aprendizado e de sede. É difícil falar do que nos tornamos e admitir que sentiremos falta. Somos rio e nossas águas mudaram: ficaram turvas, límpidas, indecisas. Unimos-nos, nos amamos, nos detestamos, nos perdoamos. Aprendemos muito: a compreender, a construir conhecimento, a inovar e desejar. Também desaprendemos, e talvez isso tenha sido o mais importante: desaprendemos a ver, a sentir e a ser o que éramos e nos tornamos novos. Somos diferentes daqueles quase adultos insanos e sem rumo. Agora somos adultos e continuamos sem rumo. O que quero dizer são palavras que morrerão aqui dentro, mas cujo valor continuará entre nós: esses anos em que me desconstruí foram alguns dos melhores da minha vida; os amigos que fiz e amo continuarão aquecendo meu coração; os momentos que vivi poderão desaparecer do mundo, mas não da minha alma. Já dói a falta de ver todos, todos os dias, viver esse espaço e aprender o novo e o velho. O mínimo que faço é tentar expressar esse sentimento de ausência e realização, desejando que a vida tome rumos bons para todos nós, e que os desejos e anseios de todos se concretizem. Guardo cada um no coração de uma forma, mas agradeço a todos por terem feito parte da minha vida e me ajudado a ser quem sou.

O fim de todas as coisas é o começo de todas as coisas.

2 comentários:

Lucas Souto disse...

Eis o fim de mais uma História... haha

deboraviveiros disse...

Ficou lindo. Você expressou muito do que sinto nesse momento de "início e fim" das coisas...