9.5.10

Parei de pensar e comecei a sentir...


"Dantes eu queria 
Embeber-me nas árvores, nas flores, 
Sonhar nas rochas, mares, solidões. 
Hoje não, fujo dessa idéia louca: 
Tudo o que me aproxima do mistério 
Confrange-me de horror.  Quero hoje apenas 
Sensações, muitas, muitas sensações, 
De tudo, de todos neste mundo — humanas, 
Não outras de delírios panteístas 
Mas sim perpétuos choques de prazer  
Mudando sempre, 
Guardando forte a personalidade  
Para sintetizá-las num sentir. 
             Quero 
Afogar em bulício, em luz, em vozes,  
— Tumultuárias [cousas] usuais — 
o sentimento da desolação 
Que me enche e me avassala. 
              Folgaria 
De encher num dia, [...] num trago, 
A medida dos vícios, inda mesmo 
Que fosse condenado eternamente — 
Loucura! — ao tal inferno, 
A um inferno real.
(Fernando Pessoa)


Por que pensar se podemos apenas sentir...sentir desespero, sentir amor, sentir raiva, sentir confusão...Sentir apego, sentir a perda, sentir saudade...Sentir dor, sentir alegria, sentir falta, sentir o toque. Sentir o vento, sentir o sol, sentir a energia vibrante da lua nas noites intermináveis...Sentir a incomensurável sincronicidade da vida e de nossas escolhas. Estar defronte o abismo e mesmo assim fechar os olhos e saborear o que os dissabores nos apresentam. E crescer.

O sofrimento nos ensina lições que jamais seriam aprendidas em tempos felizes.

Ainda te sinto...

Um comentário:

Rysia disse...

E assim eu completo o título do post:

... e com isso, me fudi!